Depressão Pós-Parto

Você consegue imaginar uma mãe ou um pai que não se derreta de amor ao pegar seu bebê nos braços? Pois eles existem, mas não os julgue de imediato, pois esses pais podem sofrer de uma condição chamada depressão pós-parto (DPP). Esta doença (sim, é uma doença!) é mais frequente do que se imagina e seus efeitos não se limitam apenas às mães ou aos pais, mas também a toda família. Alguns sintomas que podem nos ajudar a identificar esta doença são: dificuldade para amamentar e de manter os cuidados básicos da criança, sensação de incapacidade e de culpa por achar que não é uma boa mãe ou bom pai, tristeza, cansaço.

A depressão pós-parto sofre forte influência ambiental, isto é, fatores como estresse, gravidez não planejada e problemas conjugais podem contribuir para aumentar o risco desse tipo de depressão. Desta forma, estudos apontam o apoio do cônjuge e da família como peça fundamental para que mãe/pai e filho possam superar este momento complicado.

Apesar do componente ambiental, sabe-se que essa depressão possui também grande influência genética. O grupo de pesquisa do Dr. Humberto Corrêa, psiquiatra e professor da Universidade Federal de Minas Gerais, publicou recentemente um artigo científico no qual eles revisam os principais genes responsáveis e reforçam a participação de genes sabidamente relacionados à depressão maior.

Enfim, não se sintam os piores pais do mundo ou não julguem alguém que esteja passando por isso! De maneira alguma este fato significa que esses serão pais ruins. Meu conselho é que procurem um especialista (neste caso, médico psiquiatra) que possa ajudá-los a superar esta situação da melhor forma possível, para que a maternidade ou paternidade possa então ser a benção que todos nós esperamos.

Cinthia Vila Nova Santana

Referências: Couto,T.C. et al. (2015) Postpartum depression: A systematic review of the genetics involved. World J. Psychiatry 5, 103-111.

Comentários

comments

Juliana Guntert

Professora, formada em letras e administração e com técnico em comércio exterior. Tem como aspiração de vida poder conversar com o mundo inteiro.