Crianças fáceis e difíceis: o que o temperamento das crianças pode nos dizer?

Cada criança possui um temperamento específico e essas diferenças individuais podem ser observadas desde os primeiros anos de vida. Temperamento é a base sobre a qual a personalidade se desenvolve ao longo dos anos. Ele apresenta associação direta com aspectos básicos como o modo com que cada sujeito reage e está intimamente ligado a aspectos psicobiológicos, como a genética e a dinâmica hormonal. Já a personalidade, caracteriza-se pela interação entre o temperamento e outros fatores mais complexos, como padrões de pensamento, valores morais e hábitos. Ou seja, ela é composta por aspectos desenvolvidos tardiamente em relação ao temperamento.

Na primeira infância, ao observarmos crianças com temperamentos diversos nos questionamos quais seriam as implicações dessas variações em longo prazo. O temperamento possui três componentes que nos auxiliam a descrevê-lo e a observá-lo:

  • Extroversão – presença de respostas rápidas, elevada atividade e busca por exposição a riscos;
  • Presença de afeto negativo – presença de frustração, irritação e angústia e;
  • Controle com esforço – capacidade de se manter atento e focado em uma atividade mesmo quando de baixa intensidade ou ainda habilidade para inibir comportamentos impulsivos.

Todos estes fatores são importantes para a adaptação da criança em seu meio e, em níveis moderados, tendem a contribuir para o desenvolvimento social, emocional e cognitivo. No entanto, quando estes traços ocorrem de forma exagerada e em combinações específicas eles podem contribuir para prejuízos comportamentais. Crianças desafiadoras, em geral, apresentam exagerada extroversão combinada a elevado afeto negativo e baixo controle com esforço. Já em crianças ansiosas é observada baixa extroversão, elevado afeto negativo e baixo controle com esforço. Importante notar que os aspectos centrais associados aos prejuízos acima citados são a baixa capacidade para inibir comportamentos e controlar impulsos (baixo controle com esforço) e elevado afeto negativo (exagerada presença de irritabilidade, frustração e angústia).

Um ponto interessante é que o temperamento das crianças interage fortemente com o perfil educativo dos pais. Não é possível determinar se o temperamento dos filhos favorece determinado estilo educativo dos pais ou se o estilo educativo potencializa os prejuízos associados àquele temperamento. No entanto, considerando a presença de uma interação, é possível atingir melhoras comportamentais dos filhos através de mudanças no modo como os pais lidam com seus comportamentos. Os estilos parentais podem ser divididos em:

  1. Negligente: em que ocorre baixo envolvimento e baixa autoridade em relação aos comportamentos do filho.
  2. Autoritário: consiste em uma educação que visa aprendizagem do que é certo ou errado através da rigidez e severidade, caso contrário, acredita-se que a criança não irá aprender a forma adequada de agir.
  3. Indulgente: prioriza a educação dos filhos através da disponibilização de modelos, mas apresenta baixa supervisão ou monitoramento dos comportamentos dos filhos.
  4. Autoritativo: presença de envolvimento e confiança com a criança, em que o monitoramento do comportamentos ocorre através de combinados e regras negociadas com a criança.

O estilo parental associado com maiores benefícios em longo prazo tem sido o autoritativo. Este perfil educativo fornece modelos de resolução de problemas e habilidade sociais que potencializam sucesso acadêmico, emocional e social das crianças, potencializando o auto-controle e viabilizando melhores estratégias para lidar com a presença de afeto negativo.

Os desfechos de longo prazos refletem uma interação entre perfil parental, características individuais das crianças (como o temperamento) e ainda o modo de inserção das crianças em outros contextos, como o escolar. Dessa forma, o estilo parental não é o único fator que influencia o repertório de comportamentos de uma criança. Apesar disso, cabe lembrar que novos estilos educativos e melhorias no modelo de educação dos filhos podem ser atingidas através de estratégias como treinamento de pais que podem ser viabilizadas após o reconhecimento da necessidade de mudança e posterior consulta a profissionais.

Isabela Maria Magalhães Lima

Comentários

comments

Juliana Guntert

Professora, formada em letras e administração e com técnico em comércio exterior. Tem como aspiração de vida poder conversar com o mundo inteiro.